domingo, 14 de abril de 2013

Momentum

Meu primeiro impulso foi querer pegar a estrada de novo. Porém, de alguma maneira, eu sabia que algo importante estava para acontecer, e que se eu me movesse rápido demais perderia o relâmpago. Além do que, a pintura se mantinha igual à de tempos atrás, o estilo seguia inconfundível, a moldura (ou melhor ainda) – só que eu era mais eu mesmo, bem mais. E da parede do museu virei para o despenhadeiro de mentira, onde pode ser fácil cair quando não se tem nada a perder. Não era o caso. O despertador tocou e eu tinha sonhado um momento que já existia entre as nuvens da tempestade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário